Patagônia - 2º Dia - 28/12/18

2º dia - 28/12/18
Santa Margarida do Sul à Rivera
Quilometragem Parcial: 221,5 km
Quilometragem Total: 617,7 km


O segundo dia de nossa viagem nos reservou uma lista de contra tempos. Alguns quase beirando ao perrengue. Mas sorte que tudo acabou bem, e exercitamos nossa capacidade de sair destas situações com muita calma e equilíbrio. Logo cedo, alguns km após nossa partida, entre Rosário do Sul e Santana do Livramento (80 km desta última) senti o asfalto diferente, e segundos depois o MH começou a perder o curso. Havíamos furado o pneu dianteiro. Trocar o pneu de uma F4000, transformada em MH, não é o mesmo que trocar o pneu de um Uno. A começar pelo peso dos pneus, altura do estepe e quantidade de porcas ultra apertadas para desapertar. Por isto se faz necessário equipamento, e no nosso caso dois em especial fizeram a diferença. O Guincho para descer e içar o estepe que fica preso na parte traseira do MH a mais de 1,80 de altura e o desforcimetro, um equipamento que adquiri a pouco tempo, por sugestão de um borracheiro que tem a simples, mas valiosa função de desatarraxar as porcas sem muito esforço. Outro aspecto que é fundamental nestas situações, como já disse, é fazer tudo com calma. Reformatar o cérebro, que no nosso caso está focado em um cronograma de viagem bem apertado, com muitos km e poucos dias, para o módulo, “relaxa e curte o aprendizado”. Nestes imprevistos a melhor opção é relaxar, e mãos à obra com muita tranquilidade, passo a passo. O produto final é mais experiência e conhecimento. Porém os
imprevistos e as funções não terminaram por aí. O dia ainda seria longo. Pois logo que estávamos para sair do borracheiro que constatou estar nosso pneu destruído, notamos o cano de descarga também solto. Por sorte logo conseguimos um novo parafuso e novamente instalado e preso, seguimos viagem, rezando para não furar outro pneu pois estávamos sem estepe. Em livramento encontramos um borracheiro que conseguiu um novo pneu também radial, porém não a mesma marca e não com o mesmo desenho. Mas era o que tínhamos, e por isto o adquiri. A Adelaide e as crianças ficaram no Shopping Sineriz, enquanto eu resolvia a função. Aproveitei também para trocar o óleo do motor, embora ainda não fosse a hora. Mas como o momento provável da troca será o extremo sul da Argentina, resolvi não arriscar. Já sei como é complicado estas situações no interior de um país, ainda mais no extremo Sul da Argentina ou Chile. A dificuldade de encontrar o que se necessita é significativa. A troca do óleo também acabou sendo trabalhosa, pois precisei ir atrás do filtro de óleo. Toda este vai e vem custou o dia, sendo que voltei ao Shopping as 18:00. Como a esta altura era inviável seguir viagem resolvemos curtir e decidimos ir com as crianças ao cinema assistir o robô alienígena “Bumblebee”, que se camufla de fusca amarelo. A galera simplesmente adorou. Ao voltarmos, vimos um grande vazamento de água vindo do MH Yete. Logo a Adelaide notou que o chuveiro foi acionado pela queda dos shampoos que estavam em um porta shampoo afixado na parede do box por ventosas. Elas se desprenderam e tudo caiu sobre o registro que acionou o chuveiro e esvaziou nosso tanque de água potável (Incrível !!!!). A sorte que a bomba da água não estragou. Do contrário, ali terminaria nossa viagem, por ser uma situação muita específica e onde a dificuldade de reposição aumenta. Fomos as 23:00 da noite atrás de água pois os pequenos e a Adelaide não haviam tomado seu banho ainda. Consegui me deslocando 4 km até o posto de combustível onde fiz todas as tarefas da tarde. Enfim, dia longo, que terminou a 1:00 da madrugada. Não temos fotos deste dia, a não ser da troca de pneu. Dia praticamente perdido para viagem, com pouquíssimo deslocamento.






















Nenhum comentário:

Postar um comentário