1° Dia - Prólogo final - Uma nova Partida

MISSÃO CARRETERA AUSTRAL
1°Dia = 12/01/2017
Trajeto = Rolante – Chuí.
Quilometragem = 628 km percorridos.
Pernoite = Posto do Bolacha (Bandeira Schell), de Chuí. 

Em função da quantidade de providências (limpeza, reconstrução, organização), não tínhamos claro como faríamos a partir de agora em relação a nossa viagem. Nem ao menos uma nova data tínhamos, pois, este evento devastador da enchente em nossa cidade, trouxe sérias consequências.

Mas continuava obstinado por realizar nosso objetivo de chegar a Carretera. Se antes, com quase 30 dias de férias, estávamos pressionados pelo tempo, agora esta situação se complicava ainda mais.


Que dia sair?

Marcamos, mesmo que não com tudo pronto, de partirmos na quinta feira seguinte, exatamente uma semana depois da primeira partida.

E assim nos organizamos. Deixamos todos que continuavam no trabalho de reforma aqui em casa, orientados, e marcamos de novamente sair.


Finalmente nossa viagem iniciava e se Deus quisesse não seríamos mais surpreendidos. Nosso segundo primeiro dia de viagem tinha data marcada.

Para um supersticioso, as várias situações com que nos deparamos poderia ser interpretada como um “aviso”. Mas o nosso espírito era Wanderlust, e a estrada nos chamava.

Partimos no dia 12 de janeiro, as 11:00 hrs da manhã e almoçamos neste dia no ótimo restaurante Da Colônia, na entrada da cidade vizinha a Rolante, Santo Antônio da Patrulha (seria um dos únicos almoços feitos em restaurante durante a nossa viagem. Somente almoçaríamos em restaurante novamente, no penúltimo dia de nossa viagem na cidade de Rivera, Uruguai).

Viemos a saber mais tarde, que neste dia o “Bee” levara uma multa logo que entramos na “Freway” (BR 290), por excesso de velocidade (pressa de conhecer o mundo).

Mais uma vez pegamos a BR 116 rumo a Chuí, pois nossa intenção era entrar no Uruguai por ali, e seguirmos até Colônia do Sacramento, onde faríamos a travessia de Baquebus para entrar na Argentina.

No Caminho paramos no Banhado do Taim, que é cortado pela BR116, para tentar avistar alguns animais e mostrar para as crianças. Muitas capivaras e aves foram avistadas.

Dali seguimos para o último trecho do dia com o objetivo de chegarmos a fronteiriça cidade de Chuí. 

Uma rápida volta nos freeshops, que já estavam fechando, para então e buscarmos local para dormir. 

Nosso primeiro pernoite (ou segundo, levando em consideração o primeiro, primeiro dia), da viagem foi feito no posto do Bolacha, bandeira Shell, logo na entrada da cidade, junto a um pequeno quiosque nos fundos do posto cujo o entorno infelizmente muito mal conservado com lixo espalhado e sem um devido cuidado de quem deveria prezar mais pela qualidade prestada aos viajantes e caminhoneiros (especialmente porque abastecem em troca de pouso e água). Muitos pernilongos nos obrigaram a ficar dentro do Motor Home e começamos a nos adaptar a dinâmica de vida nesta nossa nova e pequena residência. Lá também conhecemos uma família de vendedores de abacaxi, que viajam pelo estado vendendo seu produto. Todas as noites rearmam seu acampamento neste local para jantar e descansar do dia de labuta.

O dia de viagem foi ótimo, e estávamos felizes por estarmos novamente na estrada.

Publicacões no facebook, deste dia:

Partindo para a Carretera Austral